Blog

18 de fevereiro Publicado em "Destino" Por "Dupla Comunicação"

Carnaval: o período que ferve o sangue pernambucano!

Com seus ritmos e cores, o Carnaval de Pernambuco encanta uma multidão apaixonada  

“A criança, o circo e a cultura popular”. É com esse tema que o Carnaval 2020 do Recife dá o ar da graça pelas principais ruas da capital pernambucana, exibindo cores, formas e muita empolgação. A poucos dias da abertura oficial da festa de Momo dos dois principais focos em Pernambuco, as cidades irmãs Recife e Olinda, a expectativa de público para esse ano, no estado, passa dos três milhões de foliões durante os quatro dias de muito glitter e frevo no pé.

Rios, pontes e Carnaval

Na capital, a maior parte da decoração do Carnaval 2020, inspirada no circo, se encontra espalhada no Bairro do Recife, que concentra os polos de festa. Nas ruas, os foliões vão poder contar com um cenário repleto de personagens que se jogam na folia. São banners com engolidores de espadas, mágicos, bailarinas, malabaristas, palhaços, trapezistas, equilibristas, engolidores de fogo e outras figuras do imagético circense. Além disso, também houve investimento em elementos aéreos e iluminação nas árvores.

No Recife, o Sábado de Zé Pereira, primeiro dia da festa de Momo, já começa com uma atração de peso. Um dos maiores símbolos do Carnaval pernambucano, o Galo da Madrugada, considerado o maior bloco do mundo pelo Guinness Book, foi fundado em 1978 e arrasta uma multidão de cerca de dois milhões de pessoas, saindo do bairro de São José. O bloco que começou apenas com poucos familiares e amigos, saía pela manhã, quando o comércio abria, com a intenção de arrecadar dinheiro dos comerciários. Como os participantes saíam bastante cedo, as pessoas costumavam falar “vamos sair com o galo”, uma expressão para se referir ao horário. Para esse ano, o imponente Galo traz o título “Galo Circense de olho no futuro”.  A figura receberá iluminação em LED dia e noite e terá lantejoulas digitais, além de monitores que irão expor obras do mundo inteiro. A roupa do galo gigante foi construída com mais de 800 discos de vinil, pintados por crianças e jovens de comunidade do Recife.

O Bloco da Saudade é outra agremiação que tem história no Recife. Foi criado a partir da proposta de reviver os carnavais líricos da primeira metade do século passado. O bloco trouxe de volta a tradição que se encontrava perdida. O primeiro desfile, em 1974, foi pelo bairro do Cordeiro. Desde sua primeira aparição, a agremiação se firma a cada ano, enaltecendo o carnaval pernambucano e sendo exemplo para novas agremiações.

Outro bloco que a anima os recifenses é o Amantes de Glória, que desfila pelas ruas da capital de Pernambuco desde 1997. Foi fundado a partir de uma paixão de cinco amigos estudantes por uma atriz espanhola chamada Victoria Abril, que fazia o papel de uma personagem chamada Glória, no filme “Ninguém Falará de Nós Quando Estivermos Mortos”.  Depois da aula, os jovens seguiram para o cinema e terminaram a noite reunidos em um bar para conversar sobre o filme visto. Daí surgiu os Amantes de Glória, que promove baile e sai pelas ruas do Recife com muito frevo no pé.

Pelas ladeiras históricas de Olinda

Poucos quilômetros da capital de Pernambuco, encontra-se Olinda e suas características ladeiras. Para 2020, o tema escolhido foi “O carnaval de Olinda é coisa de outro mundo”.  A cidade promete convocar seres intergalácticos e de outros planetas para a maior festa popular do país. Para ilustrar o tema, foram criados personagens que remetem a criaturas de outra dimensão, como Sereia Foliã, a Fada Percussionista, o Astronauta Caboclo de Lança, o Unicórnio Passista, o Extraterrestre Manguebeat e o Alien Papangu. Todos esses elementos estarão na decoração da cidade e dos polos de animação.

Olinda, que espera ansiosa pela festa de Momo o ano inteiro, é sinônimo de frevo, maracatu e blocos tradicionais. Nada mais justo que começar falando do calunga símbolo do Carnaval da cidade, o Homem da Meia Noite, que foi fundado em 1932, a partir de uma desavença política de seis integrantes da Troça Cariri. O boneco gigante arranca suspiros de admiradores de todas as idades. E há os que falam que toda essa paixão, só pode ser compreendido por quem já acompanhou um desfile da figura que carrega em si um misticismo inexplicável. Quatro metros de altura e de pura elegância, é possível dizer que nenhum outro calunga encanta os foliões como ele. Sobre o horário, há duas versões. Há quem diga que a escolha da meia-noite seria para o clube sair antes de Cariri, devido à rivalidade na época ou que a hora seria essa por ser a que mais carrega mistérios.

A Ceroula de Olinda foi fundada em 1962 numa contraposição à outra troça da cidade, o Pijama. Desde então, o bloco arrasta muitos foliões que com amor nas palavras cantam seu hino tão tradicional.

A Pitombeira dos Quatro Cantos banha a cidade com suas cores amarelo e preto desde 1947. O bloco foi formado por moradores dos conhecidos bairros Amparo e Quatro Cantos. Sua canção é uma das mais conhecidas e cantadas em Pernambuco.

O bloco carnavalesco Mangue Beat percorre as ladeiras da cidade alta de Olinda sempre no sábado. A tradição é se melar com argila antes de curtir a festa. Forma encontrada para homenagear o mangue. Durante o desfile, são tocadas canções do movimento artístico musical criado pelo grande cantor pernambucano Chico Science, que faleceu em um acidente de carro em 1997, um ano depois do bloco ter sido fundado.

“É de fazer chorar quando o dia amanhece e obriga o frevo acabar. Ó quarta-feira ingrata, chega tão depressa só pra contrariar”. Um bom pernambucano conhece bem esse hino de Carnaval, que representa a tristeza dos que esperam durante um ano todo para cair na folia. Na quarta-feira, conhecida como de cinzas, o bloco Bacalhau do Batata faz a alegria do pessoal que demora a saber lidar com o fim do feriado carnavalesco. Animando a manhã olindense, a troça foi criada pelo garçom Izaías Pereira da Silva, vulgo Batata. O folião pensou naqueles que trabalham durante o período de festas momescas e não conseguem aproveitar a folia. Para os que ainda têm gás para cair no frevo e para os que não puderam por motivos de trabalho, o bloco mostra que o Carnaval em Pernambuco não termina na terça-feira.

Para curtir todas essas atrações, a poucos dias do período momesco, a procura dos turistas por hotéis e pousadas está aquecida. Para 2020, a expectativa é de que a taxa de ocupação da rede hoteleira de Pernambuco fique na casa dos 95,67%. Caso o número expressivo seja confirmado, o índice será 5% superior ao registrado em 2019. O dado foi divulgado pela Secretaria de Turismo e Lazer de Pernambuco, após levantamento do Setor de Estudos e Pesquisas da Empetur.

Localizado na avenida mais badalada do Recife, Boa Viagem, o Hotel Atlante Plaza é bastante procurado por turistas, pois está situado em um trecho privilegiado, a apenas 10 minutos do aeroporto internacional. Outro empreendimento que cai no agrado dos viajantes é o  Mar Hotel Conventions, igualmente, em Boa Viagem. Este, fica a cerca de 3 km do Aeroporto Internacional do Recife / Guararapes – Gilberto Freyre e a cerca de 10 km do centro da cidade, onde acontece muitas das festas carnavalescas.